• Home »
  • Capa »
  • Paciente com câncer no cérebro melhora com droga para malária

Paciente com câncer no cérebro melhora com droga para malária

cancer-melhora

Uma nova combinação de medicamentos funcionou bem contra o câncer no cérebro de Lisa Rosendahl, de 26 anos.

Depois que o câncer se tornou resistente à quimioterapia e, em seguida, para tratamentos direcionados, os médicos deram a ela apenas alguns meses vida.

Mas agora, a combinação de remédios estabilizou a doença de Lisa Rosendahl e aumentou a quantidade e a qualidade de vida da jovem.

Ao adicionar a droga cloroquina anti-malária ao tratamento, a combinação parou o processo que as células de câncer usavam para resistir à terapia.

Juntamente com Rosendahl, outros dois pacientes com câncer de cérebro foram tratados com a combinação e ambos tiveram melhora semelhante.

“Lisa tinha um glioblastoma agressivo de alto risco e quando começamos esse trabalho, ela já havia tentado de tudo. Para essa população, as taxas de sobrevivência são sombrias”, disse Jean Mulcahy-Levy, pesquisador da Universidade do Colorado Cancer Center.

“Milagrosamente, ela teve uma resposta a essa combinação. Quatro semanas depois ela já conseguia ficar de pé e tinha melhorado o uso de seus braços, pernas e mãos “.

A droga

A ciência por trás do uso inovador desta droga da malária, a cloroquina, foi construída em grande parte no laboratório de Andrew Thorburn, vice-diretor do CU Cancer Center

O laboratório de Thorburn estuda um processo celular chamado autofagia.

Do grego “comer a si mesmo”, a autofagia é um processo de reciclagem celular em que os organelos celulares chamados autofagosomas encapsulam material extra, ou perigoso e o transportam aos lisossomos da célula para eliminação.

A autofagia divide os componentes celulares desnecessários em blocos de construção de energia, ou proteínas, para uso em tempos de sobrevivência de baixa energia.

Infelizmente, alguns cânceres usam a autofagia para se manterem a salvo dos tratamentos.

“Isso me faz sentir realmente sortuda por ser pioneira neste tratamento”. “Espero que ajude e espero que ajude as pessoas na estrada”, diz Lisa Rosendahl.

Fonte: Só Notícia Boa com informações do GoodNewsNetwork